29
12
10

1 – Amor, vamos fazer um 69?
Nem tudo que é bom pode ser misturado. Duas coisas fantásticas quando juntas, podem se tornar uma grande catástrofe.
Provavelmente o 69 fora inventado por adolescentes com pouco tempo disponível na casa de um dos dois e na pressa de fazer tudo antes que os pais chegassem, tiveram que agilizar as delícias fazendo tudo ao mesmo tempo.

Não digo que 69 é ruim, óbvio que não, você está levando uma chupada, como isso pode ser ruim!? Mas porque não fazer uma coisa de cada vez? Você é chupado, goza, depois você chupa e faz gozar. Pronto, não é bem melhor assim?

2 – Voz de neném
Aquela mulher que há 15 minutos atrás gritava “mete gostoso” agora repousa no seu ombro falando como se tivesse 6 anos de idade.
Em momento algum falar com voz de neném é algo aceitável, mas depois do sexo chega a ser ofensivo.

3 – Ai, para que tá doendo.
Vamos lá filha, você sabe, eu sei, e a torcida inteira do Flamengo também sabe que você não é virgem, então não precisa fingir dor que não existe. Exceto em situações em que o cara é um jumento, o seu charminho de menininha virgem virará uma mania chata pra caralho. Então antes que o cara ache que está comendo a sua uretra, nem comece com isso. Você está lá pra trepar, não pra fazer amor.

4 – Luz apagada
Homem é um bicho visual. Gosta de ver a sua cara safada, gosta de se ver entrando em você. Luz apagada é broxante, perde grande parte da diversão. Você não está gorda, e mesmo se estivesse, o cara já estaria lá te comendo, acha mesmo que ele se importaria com isso?

5 – Foda em close favorecedor
A mulher é tão insegura, mas tão insegura que escolhe a posição não pelo prazer, mas pela estética da situação. A posição tem que favorecer a ela e não expor aquela gordurinha/celulite/estria que só ela enxerga, porque em sua mente deturpada, o cara ficaria a foda inteira reparando justamente naquilo. Ou seja, o homem não tem poder algum nem na escolha das posições e fica a foda inteira a mercê da noção estética de uma neurótica.

6 – O silêncio mortal
A mulher não precisa ser uma porn star, não precisa gemer feito um porco indo pro matadouro e nem ser um ótimo exemplo de síndrome de Tourette, mas nenhum homem gosta de sentir que está comendo um frango assado em tamanho gigante. Então meninas, aprendam: A boquinha de vocês não serve só pra chupar, ok!?

7 – Nojinho
Cama não é lugar de nojinho. O cara está lá de coração aberto, disposto a fazer qualquer coisa (desde que não precise botar seu próprio rabo a jogo) e se depara com uma mulher cheia de nojinho na cama. É de declarar a noite perdida. Qual a graça de comer uma mulher que tem nojo até de chupar um pau? A gente sabe que o bicho não é visualmente agradável, mas daí a ter nojo é uma ofensa pessoal.

8 – O brigadeirão
Assim como chupar sem encostar os dentes, bater punheta também é uma arte, então se não é o seu forte, não se esforce tanto no que você ainda terá que praticar muito para pegar a manha. Bater punheta tem que ser de coração, tem que ir com vontade e estar muito feliz fazendo aquilo. Não esfregue o pau do cara como se estivesse enrolando brigadeiro. Você está fazendo isso errado!

9 – Propaganda enganosa
Não há problema nenhum em fazer propaganda de si mesma. Se você for uma máquina do sexo, excitar o cara ao máximo antes do ato é uma ótima tática. O que não quer dizer que você deva fazer se na hora do fatality aquela mulher antes louca e selvagem na cama não passar de palavrinhas mentirosas encobrindo uma frígida adepta do papai-e-mamãe e só.

10 – Higiene? Que isso?
Isso não deveria nem estar sendo escrito, deveria ser básico, mas infelizmente não é. Meninas, lavar a Grace Kelly com Dermacyd só não é o suficiente. Não esqueçam que quando forem ao banheiro, devem sempre se lavar, e não se limpar com papel. Cair de boca numa menininha rosinha e fresquinha é uma delícia, mas engolir pedacinhos de papel mijado não!

Geraligado – Todo mundo ligado .

Deixe seu comentário

Os comentários do blog, são via Facebook. Para comentar você tem que estar logado lá! Lembre-se que o comentário é de inteira responsabilidade do autor.